Falta de acesso

Estudo revela que milhões de pessoas sofrem por falta de acesso à morfina

Cerca de 25 milhões de pessoas, entre elas 2,5 milhões de crianças, morrem anualmente no mundo com fortes dores que poderiam ser aliviadas com morfina, revelou um estudo publicado nesta sexta-feira (13/10) na revista médica The Lancet. O alívio da dor é negado a cerca de metade do número total de pessoas que morrem por ano.

De acordo com os pesquisadores, a grande maioria destes casos ocorre em países de baixa e média renda, que recebem menos de 4% das 299 toneladas de morfina oral distribuída no mundo. Por outro lado, a pesquisa revelou que, em nações mais ricas, é comum o abuso de analgésicos à base de ópio, principalmente nos Estados Unidos.

'A desigualdade da dor é uma faca de dois gumes: há pouco acesso a opiáceos baratos nas nações pobres e abuso nas ricas', afirmou o coautor do estudo Julio Frenk, da Universidade de Miami.

Em 2015, 35 milhões de doentes no mundo poderiam ter suas dores crônicas aliviadas se tivessem acesso à morfina, acrescentou a pesquisa.

A morfina não é somente difícil de ser encontrada em países mais carentes, mas também é mais cara do que em países desenvolvidos. Segundo o estudo, enquanto nas regiões mais pobres o valor para 10 miligramas deste tipo de substância é de cerca de 16 centavos de dólar, nas mais ricas esse preço cai para 3 centavos de dólar.

'Se todos os países tivessem acesso ao preço pago nos desenvolvidos, estimamos que o custo para enfrentar o déficit global de morfina seria de cerca de 145 milhões de dólares por ano', afirmou a pesquisa.

Mas o custo não é o maior impasse para o acesso a esse tipo de analgésico. Os pesquisadores constaram que o maior problema é o sistema de saúde deficitário de vários países que não oferece cuidados paliativos suficientes.

Segundo os pesquisadores, um pacote essencial de cuidados paliativos inclui medicamentos para aliviar problemas respiratórios, espasmos musculares, insuficiência hepática, complicações cardíacas, depressão e sofrimento psicológico.

O estudo foi realizado por uma comissão internacional que passou três anos observando as disparidades no alívio da dor.