Balança comercial

exportacao 03 300x300Exportação de equipamentos para saúde cresce com exposição em feiras internacionais

Fabricantes nacionais de equipamentos para a área da saúde que integram o Brazilian Health Devices exportaram quase sete vezes mais do que as empresas do setor que não fazem parte do programa. Implementado pela Abimo, associação que representa a indústria de equipamentos para a saúde, em parceria com a Apex-Brasil, o programa incentiva a participação de exportadores nacionais da área em feiras internacionais.

Quando se compara o primeiro trimestre deste ano com o mesmo período de 2016, o primeiro grupo registrou alta de 33,6% nas suas vendas externas contra crescimento de 4,95% das demais empresas do segmento.

O programa Brazilian Health Devices foi criado há 17 anos para promover “ações estratégicas que elevam a visibilidade da indústria brasileira”, incluindo missões comerciais e pesquisas. “Os números sinalizam uma recuperação em curso em relação aos resultados verificados nas exportações do projeto em 2016”, disse Rafael Cavalcante, analista de acesso a mercados da Abimo.

Entre os setores que tiveram maior crescimento no período destacam-se produtos para implantes dentários e de odontologia, com elevação, de 26,9% e 16,9%, respectivamente, seguido de materiais de consumo, radiologia, equipamentos médicos e de laboratórios.

O convênio da Abimo com a Apex é renovado a cada dois anos e o atual — que termina em outubro — envolveu recursos de R$ 15,6 milhões, 62% acima dos R$ 9,6 milhões do ano anterior. Clara Porto, gerente de projetos e marketing internacional da Brazilian Health Devices, explicou que o programa prevê participação entre 12 e 14 feiras internacionais anuais. “São 150 empresas sob o guarda-chuva do programa, exportando para mais de 180 países e, ao todo a associação, 350 companhias filiadas”, afirmou.

Franco Pallamolla, presidente da Abimo, disse que o contrato com o Apex é um “eixo estratégico”. “Saimos de um setor não exportador para uma receita ao redor de US$ 850 milhões no ano passado”, disse. “Esse é um projeto vencedor que demonstra a capacidade do setor de inovar e empreender”, acrescentou.

Exportadores ouvidos na 24ª Edição da Hospitalar, que aconteceu entre os dias 16 a 19 de maio, em São Paulo, no Center Norte, ilustram esse entusiasmo. Fundada há 24 anos, a Indusbello Company, fabricante de produtos para as áreas médica e odontológica, passou a exportar há cerca de uma década. “Nos últimos anos, estamos intensificando as ações em comércio exterior de forma pontual, visitando clientes e participando de feiras lá fora”, disse Guilherme Varella, responsável pelo setor de comércio exterior da Indusbello, que está no programa da Apex.

Segundo Varella, os embarques representam cerca de 20% das vendas e, na média, a empresa fecha cerca de 100 contratos por feira. No total, o faturamento em 2016 foi de R$ 15 milhões e a meta é crescer mais 20%, agregando novas linhas de produtos e conquistando novos mercados.

“Vendemos para cerca de 30 países regularmente e, esporadicamente, para outros 10”, disse. “A Argentina é nosso principal importador, com 30% das vendas”, contou.

Hoje as exportações da Ortho Pauher representam cerca de 30% da receita, devendo crescer mais 10% até dezembro, segundo Pedro Maia, gerente de exportação da companhia que também faz parte do programa de exportação. Líder mundial em produtos ortopédicos e podológicos de silicone, a companhia tem cerca de 800 itens no mercado, inclusive próteses para amputados.

Sediada no Recife (PE) e há 22 anos no mercado, faturou em 2016 cerca de R$ 30 milhões e prevê alta de 15% para este ano. “Cerca de um terço das vendas anuais e de novas carteiras conquistadas são catalogadas durante a Hospitalar”, informou.

A ColOff Industrial também integra o programa. Fundada em 2010, desenvolveu um produto descartável e inovador para coleta de amostra de fezes para exames laboratoriais, reduzindo custos e aumentando o controle sobre infecções. As exportações começaram em 2014 e hoje representam 30% das vendas, que somam meio milhão de unidades por ano e devem dobrar em 2017. Com isso, a receita de R$ 360 mil em 2016 deve saltar para R$ 2 milhões este ano, graças às vendas externas.

No Brasil já são 600 clientes e o primeiro deles foi o Hospital Albert Einstein. O produto é exportado para o Canadá, Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia. “Estamos desenvolvendo uma versão hidrossolúvel para o mercado europeu que estará disponível a partir de 2018”, diz Eliézer Machado Dias, CEO da ColOff Industrial.

Líder global em inovações para a saúde, a Philips está exportando para o mercado mundial o que chama de “solução Taxy em HTML5”, um software que gerencia o fluxo clínico e administrativo de hospitais e clínicas. “Seu desenvolvimento no Brasil exigiu mais de 300 mil horas, em Blumenau (SC), e cerca de 150 colaboradores”, disse Solange Plebani, gerente geral da Philips.

O primeiro lote embarcado foi para o México, em 2013, depois de adaptar o produto para a legislação do país. “Hoje vendemos para a Alemanha e Arábia Saudita, e em ambos países fazemos as devidas adaptações. Outros países da América Latina e Europa estão sendo estudados para expansão das vendas externas”, informou. No Brasil, 900 contratos já estão fechados.

Fonte: Valor Econômico

deco tempo

img seguranca

Informativo sobre
Ações de Segurança
do Paciente

Programa Farol

Programa Farol

Saiba como participar do Programa Farol de indicadores de desempenho
Estatutos

Estatutos

Estatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto do Idoso

Assessoria Jurídica

Assessoria Jurídica

Legislação, Pareceres, Conv. Coletivas, Jurisprudências e Dúvidas Frequentes
 entidades logo isqua  logo ans  logo cns  logo feherj