Denúncia

denunciaGoverno federal não aplicou mínimo em saúde em 2016, diz MP de Contas

O governo federal não aplicou em 2016 o mínimo previsto em ações e serviços públicos de saúde. A denúncia é do Ministério Público de Contas de São Paulo que pediu ao MP Federal e ao Tribunal de Contas da União adotem as providências cabíveis. De acordo com a denúncia, para cumprir o piso federal em saúde em 2016, de 15% da receita corrente líquida (RCL), a União deveria ter aplicado, no mínimo, R$ 108,3 bilhões. No entanto, segundo o documento, foi aplicado R$ 106,2 bilhões, aproximadamente R$ 2 bilhões aquém do exigido constitucionalmente.

Assinada pela procuradora Élida Graziane e pelo economista Francisco Funcia, a denúncia explica que a aplicação mínima em saúde é de 15%, conforme estipulado pela Emenda Constitucional 86/2015. Segundo os autores, esse mínimo chegou a ser alterado pela EC 95/2016, que previa uma regra de transição. Porém, o dispositivo foi revogado.

"A conclusão é que o piso federal em saúde se tornou 15% da RCL, sem qualquer escalonamento ou diferimento temporal com a entrada

em vigor da EC 95, ou seja, em 15 de dezembro de 2016", diz a denúncia.

No documento, os autores apontam ainda que não houve a compensação integral dos restos a pagar cancelados em 2015, como exige o artigo 25 da Lei Complementar 141/2012.

"Tais fatos, ao sentir dos representantes, como cidadãos, reclamam investigação imediata, haja vista o risco consistente de desrespeito às normas constitucionais e legais acerca do dever federal de aplicação mínima em ações e serviços públicos de saúde, bem como ao princípio constitucional de que 'a saúde é direito de todos e dever do Estado'".

Fonte: Conjur

deco tempo

img seguranca

Informativo sobre
Ações de Segurança
do Paciente

Programa Farol

Programa Farol

Saiba como participar do Programa Farol de indicadores de desempenho
Estatutos

Estatutos

Estatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto do Idoso

Assessoria Jurídica

Assessoria Jurídica

Legislação, Pareceres, Conv. Coletivas, Jurisprudências e Dúvidas Frequentes
 entidades logo isqua  logo ans  logo cns  logo feherj